Terça, 12 Junho 2018 17:22

Para a Polícia Federal, Temer agiu para comprar silêncio de Cunha

Avalie este item
(0 votos)

iG São Paulo

Relatório da operação Cui Bono?, que investiga corrupção na Caixa, atribui a Michel Temer (MDB) tentativa de obstrução da Justiça; presidente não foi indiciado por ter direito a foro privilegiado

Para a Polícia Federal, Temer atuou para comprar silêncio de Eduardo Cunha, preso em Curitiba

Para a Polícia Federal, Temer atuou para comprar silêncio de Eduardo Cunha, preso em Curitiba

Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

A Polícia Federal afirma ter indícios o bastante para concluir que Michel Temer (MDB) agiu para tentar comprar o silêncio do ex-deputado federal Eduardo Cunha (MDB) e do doleiro Lúcio Funaro, apontado por investigadores como operador de propinas do MDB.

Leia também:Moro impede uso de provas da Lava Jato contra empresas delatoras

A conclusão sobre a suposta tentativa de obstrução da Justiça por parte de Temer consta no relatório final da operação Cui Bono?, que investiga casos de corrupção envolvendo a Caixa Econômica, Cunha e Funaro. O documento foi obtido pelo jornal O Estado de São Paulo.

Entre os indícios apontados pela Polícia Federal está a gravação que por pouco não levou o governo Temer ao fim prematuro em maio de 2017. Em um diálogo com Joesley Batista no palácio do Jaburu, onde vivia o presidente na época, o empresário narrava a Temer a sua atuação junto a juízes para obstruir as investigações que apuravam desvios de sua parte. Joesley secretamente gravava a conversa.

Em certo ponto, ele disserta sobre a “boa relação” que vinha cultivando com Cunha (MDB), já preso em Curitiba então. Conforme apontou Joesley em depoimento à Polícia Federal, ele teria pago R$ 5 milhões ao ex-deputado para que ele não o delatasse, mantendo silêncio também sobre supostos ilícitos cometidos por Temer. Após o relato de Joesley à Temer – onde ele não entra em detalhes sobre valores pagos – o presidente diz as hoje famosas palavras: “tem que manter isso aí, viu?”.

No relatório da PF, este e outros indícios são apresentados para embasar a conclusão de que Temer agiu para obstruir a Justiça. Embora seja citado, o presidente, contudo, não foi indiciado, já que ele possui foro privilegiado.

Leia também:Defesa de Lula questiona no STF e STJ demora de TRF-4 em julgar recursos

Em 2017, duas denúncias da Procuradoria Geral da República contra o presidente foram apresentadas ao Congresso. Os deputados votaram contra a aceitação das peças, salvando Temer de responder na Justiça sobre o caso.

Por meio de sua assessoria de imprensa, o Planalto afirmou que “é mentirosa a insinuação de que o presidente Michel Temer incentivou pagamentos ilícitos ao ex-deputado Eduardo Cunha e a Lúcio Funaro. Isso jamais aconteceu. A gravação do diálogo com Joesley Batista foi deturpada para alcançar objetivo político”.

“Apesar da ausência absoluta de provas, investigadores insistem em retirar do contexto diálogos e frases para tentar incriminar o presidente da República. Perpetuam inquéritos baseados somente em suposições e teses, sem conexão com fatos reais”, conclui a nota da assessoria de Michel Temer.

Leia também:Datafolha: Lula tem 30% das intenções de voto, Bolsonaro 17% e Marina 10%

Ler 129 vezes

Galeria de Imagens

Usuários Online

Temos 103103 visitantes e Nenhum membro online

.......

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

ESTADO

Criança viva que foi atestada como morta…

POLÍCIA

Cachorra é esfaqueada e tem vísceras exp…

TRÂNSITO

Acidente entre carro e moto deixa um fer…

ESPECIAL

Sine disponibiliza cinco vagas de empreg…

MODA

Relembre as 10 reportagens de beleza mai…

ESTADO

Governo do Estado decreta ponto facultat…

ESPORTES

Mbappé rechaça cifras que movem o mercad…

ESPORTES

Iniesta vê com naturalidade Neymar jogan…

ESPORTES

Messi chega a 566 gols no Barcelona e pe…

TRÂNSITO

Areia na pista causa queda de motociclet…

MUNDO

Vai a 42 o nº de mortos no gigantesco in…

FENÔMENO

Cidade registra tremores de terra no Rio…