Quarta, 11 Julho 2018 06:36

Cientistas dos EUA inovam ao editar e reprogramar genes

Escrito por Agência Estado
Avalie este item
(0 votos)
Pesquisa possibilita edição de genes e reprogramação de células

Pesquisa possibilita edição de genes e reprogramação de células

Thomas Cain/Getty Images

Cientistas americanos conseguiram reprogramar geneticamente células-T - que fazem parte do sistema imunológico humano - sem utilização de vírus para inserir genes. De acordo com os autores do estudo, publicado nesta quarta-feira (11), na revista Nature, o avanço torna mais rápida a edição de genes, o que poderá ter aplicações em pesquisa, na medicina e na indústria.

A técnica conhecida Crispr-Cas9 (ou simplesmente "Crisper") permite a edição do DNA, com o objetivo de eliminar mutações indesejáveis em pesquisas e em terapias genéticas.

Um dos métodos empregados para isso consiste em usar vírus como vetores para transportar os genes para as células.

O método descrito no novo estudo permite editar as sequências do genoma nas células-T humanas sem utilizar os vírus. Os autores descrevem o método como "uma abordagem rápida, versátil e econômica com uso da tecnologia Crisper de edição de genes" e afirmam que ela poderá ser utilizada, no futuro, para terapias celulares, acelerando o desenvolvimento de novos tratamentos para câncer e doenças autoimunes.

O novo método tem por base um processo pelo qual um campo elétrico é aplicado às células-T, para tornar suas membranas temporariamente mais permeáveis. Com uma exposição ao campo elétrico apropriado, as células-T integram as sequências genéticas escolhidas precisamente no local programado pela Crisper para cortar o genoma.

"É um método rápido e flexível que pode se usado para alterar, aprimorar e reprogramar células-T, de forma que podemos dar a elas a especificidade que queremos para destruir um câncer, reconhecer uma infecção, ou moderar a resposta imunológica excessiva que resulta em doenças autoimunes", disse o autor principal do estudo, Alex Marson, da Universidade da Califórnia em São Franciso (Estados Unidos).

Segundo Marson, além da velocidade e da facilidade de uso do método, ele possibilita a inserção de trechos grandes do DNA nas células-T, o que pode ser usado para dar a a elas novas propriedades.

Para demonstrar a versatilidade do novo método, os cientistas o usaram para consertar uma mutação causadora de doenças encontradas em células-T de crianças com uma rara doença autoimune. Eles também criaram células-T "personalizadas" para buscar e matar células de melanoma - um tipo de câncer de pele.

Copyright © 2018 Estadão. Todos os direitos reservados

Ler 57 vezes

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Usuários Online

Temos 10152 visitantes e Nenhum membro online

.......

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

POLÍCIA

Pai mata filho com um tiro de espingarda

CIDADE

Formação de novos soldados começará no d…

TRÂNSITO

Mais uma viatura da Brigada Militar se e…

CIDADE

Sine disponibiliza cinco vagas de empreg…

ESPECIAL

Bebidas e cigarros são apreendidos na BR…

MODA

Veja onze famosos que cresceram com o EG…

MODA

O EGO se despede e relembra flagrantes i…

MODA

Relembre as 10 reportagens de beleza mai…

ESPORTES

Modric agradece homenagem da presidente …

ESPORTES

Jornal revela que PSG pode ser punido pe…

CURIOSIDADES

Homem rouba cabra perto do Museu do Louv…

ESPORTES

Nova geração liga o alerta para atacante…